Sustentabilidade - Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Embalagem e Meio Ambiente

A embalagem desempenha um papel fundamental na proteção da qualidade do produto acondicionado, preservando-o desde o acondicionamento até o seu consumo e/ou uso pela população de pequenos e grandes centros urbanos e auxiliando, assim, no uso racional dos recursos naturais.

Embalagem e Meio Ambiente A Área de Embalagem e Meio Ambiente do CETEA tem por objetivo disponibilizar informações técnicas consistentes, bem como avaliar o desempenho ambiental de sistemas de embalagem e de produtos acondicionados de forma a promover a melhoria constante da relação Embalagem & Meio Ambiente.

Diversos serviços ambientais são oferecidos para empresas, associações e entidades públicas, incluindo:

Expertise na área ambiental

O CETEA tem grande experiência na assessoria de associações e empresas na condução de questões ambientais. Nossa experiência foi construída ao longo de mais de uma década de desenvolvimento de estudos de ACV, que forneceram informações práticas, imparciais e relevantes para a melhoria ambiental dos produtos e processos avaliados.

Os estudos de ACV conduzidos no CETEA priorizam o interesse e a interação entre o setor produtor e usuário de embalagens e de produtos diversos, com ênfase na aplicação direta dos resultados em gestão ambiental visando a melhoria contínua.

A produção científica e tecnológica do CETEA sobre Avaliação do Ciclo de Vida – ACV engloba publicações na forma de livros, artigos técnicos e científicos em revistas indexadas e em anais de eventos, etc.

Avaliação do Ciclo de Vida (ACV)

Ciclo da Embalagem no Meio Ambiente

A Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) é uma ferramenta que permite avaliar o impacto ambiental potencial associado a um produto ou atividade durante todo seu ciclo de vida, desde a extração das matérias-primas, produção, distribuição, uso até a etapa de disposição final.

A ACV também permite identificar quais estágios do ciclo de vida têm contribuição mais significativa para o impacto ambiental do processo ou produto estudado. Empregando a ACV é possível avaliar a implementação de melhorias ou alternativas para produtos, processos ou serviços.

Declarações ambientais sobre o produto podem se basear em estudos de ACV, bem como a integração de aspectos ambientais no projeto e desenvolvimento de produtos (design for environment).

Por estes motivos, a ACV é a base para o desenvolvimento dos conceitos de Life Cycle Thinking e Life Cycle Management.

A ACV pode ser aplicada com diversas finalidades:

Subsídios para rotulagem ambiental

Os rótulos ambientais têm por objetivo aperfeiçoar os produtos de modo a torná-los menos agressivos ao meio ambiente do que os produtos tradicionais, além de desempenhar suas funções com alta qualidade, consumindo o mínimo possível de recursos naturais.

A rotulagem ambiental é um método voluntário de certificação de desempenho ambiental que é praticada em todo o mundo. O rótulo ambiental identifica a preferência ambiental de um produto ou serviço dentro de uma categoria específica de produto e/ou serviço baseando-se em considerações sobre o ciclo de vida, sendo concedido por programas de rotulagem ambiental de terceira parte, imparciais.

Existem três tipos de rótulos ambientais que foram normalizados pela ISO:

Ciclo da Embalagem no Meio Ambiente
  1. Rótulo Ambiental Tipo I:conhecido como “Selo Verde”, baseia-se em critérios múltiplos obtidos de estudos de ACV setoriais e tem por objetivo reduzir os impactos ambientais da categoria de produto selecionada. O “Selo Verde” consiste em um símbolo impresso no rótulo da embalagem e é concedido por um programa de terceira parte (normalmente um Órgão de Certificação nacional, que no caso do Brasil é a ABNT) que fornece uma licença autorizando o uso do rótulo ambiental. Os dados das ACVs setoriais são utilizados como orientação na definição dos parâmetros de controle das categorias de produtos;
  2. Rótulo Ambiental Tipo II:declarações de cunho ambiental que a empresa divulga no rótulo das embalagens de seus produtos e que fazem referência ao desempenho ambiental do produto, como por exemplo “reciclável”, “consumo de energia reduzido”, etc. As auto-declarações foram normalizadas pela ISO com o objetivo de evitar o uso de expressões indefinidas, tal como “produto verde”.
  3. 3. Rótulo Ambiental Tipo III:contém uma série de dados ambientais quantitativos baseados em estudos de ACV desenvolvidos por terceira parte especificamente para o produto em questão, devendo ser submetido a uma revisão crítica. Por ser complexo, este rótulo tende a ser mais aplicado em relações comerciais ao invés de ser divulgado ao público em geral.

Entre em contato com o CETEA para o desenvolvimento de Estudos de ACV com a finalidade de gerar subsídios para a rotulagem ambiental de seus produtos ou atividades.

Design for environment (Ecodesign)

Design for environment (Ecodesign)

O DfE (Design for Environment ou Ecodesign) tem por objetivo reduzir os impactos ambientais em todo o ciclo de vida dos produtos mediante a integração de aspectos ambientais no projeto e desenvolvimento de produtos, processos ou serviços tomando por base a Avaliação do Ciclo de Vida - ACV. Dessa forma, o DfE permite a implementação de inovações ambientais nos primeiros estágios de desenvolvimento do produto, evitando o surgimento de questões indesejáveis posteriores durante o ciclo de vida do produto.

Além da agregação de valor ao produto com benefícios para a empresa em termos de competitividade, pode-se citar as seguintes vantagens e benefícios do DfE:

Alguns princípios do DfE adotados nas diversas etapas do ciclo de vida são:

Entre em contato com o CETEA para entender como seu produto impacta o meio ambiente e incorporar o DfE em sua empresa.

Esclarecimentos sobre estratégias ambientais e sustentabilidade

A adoção dos princípios de sustentabilidade nas estratégias de negócio resultam em organizações bem sucedidas. A sustentabilidade envolve a maximização da eficiência operacional, a visualização de oportunidades que trazem consigo benefícios econômicos e ambientais, o reconhecimento dos stakeholders, etc.

Uma das atuações do CETEA tem sido o esclarecimento sobre estratégias ambientais e alerta sobre a viabilidade ou não da adoção de determinadas tecnologias. As pesquisas em ACV desenvolvidas no CETEA possibilitam uma visão ampla das interfaces de um produto com o meio ambiente e evidenciam a necessidade de Políticas Públicas que contribuam para o Consumo Sustentável, Educação Ambiental e Gerenciamento Integrado do Resíduo Sólido Urbano. Nesse contexto, "mitos e fatos" são discutidos com base na Avaliação de Ciclo de Vida de produtos, conforme descrito no artigo: O mito da degradação de embalagens.

Entre em contato com o CETEA para obter orientações visando melhorias ambientais e vantagens econômicas em suas atividades.

Orientação para o desenvolvimento de produtos sustentáveis

Design for environment (Ecodesign)

Da sobreposição do Social e do Ambiental, tem-se o desenvolvimento Sócio-Ambiental, o qual pode ser alcançado mediante atividades que promovam a educação ambiental, o incentivo à reciclagem, o consumo consciente, o uso racional de água e energia, etc.

O desenvolvimento Sócio-Econômico resulta das atividades econômicas que consideram a valorização do ser humano, ou seja, atuação nos âmbitos Social e Econômico. Como exemplo pode-se citar a criação de oportunidades de trabalho e a capacitação das pessoas promovidas pelas indústrias de reciclagem.

A Eco-Eficiência baseia-se no desenvolvimento Econômico e Ambiental integrados, ou seja, refere-se às atividades que asseguram a melhoria contínua do desempenho ambiental por meio de investimentos em inovações e avaliação dos impactos potenciais de acordo com os princípios da ISO 14001.

Por sua vez, o desenvolvimento sustentável é conseguido por meio de atuação conjunta nas três áreas: Social, Ambiental e Econômica.

A adoção das questões ambientais nas diretrizes das organizações, a responsabilidade social, as expectativas dos consumidores e as novas regulamentações indicam oportunidades para vantagens competitivas por meio do projeto de produtos e serviços melhores.

Entre em contato com o CETEA para avaliação de suas atividades, sistemas e práticas relacionadas com seus produtos e serviços a fim de garantir de que seguem em direção à sustentabilidade.

Estudos sobre impacto ambiental de embalagens e produtos

A embalagem desempenha um papel fundamental na proteção da qualidade do produto acondicionado, preservando-o desde o acondicionamento até o seu consumo e/ou uso, além de reduzir o impacto ambiental associado à perda do produto devido ao uso de embalagens não especificadas corretamente. Produtos inutilizados representam desperdício de recursos naturais e, portanto, representam impacto ambiental.

Um dos objetivos da área de Embalagem e Meio Ambiente do CETEA é avaliar o desempenho ambiental de sistemas de embalagem e de produtos acondicionados considerando a interação entre produto, embalagem e sistema de distribuição.

Entre em contato com o CETEA para o desenvolvimento de estudos de ACV de suas embalagens e/ou produtos e, assim, avaliar o impacto ambiental associados aos mesmos.

Legislação sobre embalagem e meio ambiente

Os requisitos da legislação sobre embalagem e meio ambiente nos países da União Européia e nos Estados Unidos estão ficando cada vez mais rigorosos, inclusive no Brasil. Existe uma preocupação constante no CETEA sobre atualização relativa a este tema de modo a poder orientar as empresas e os órgãos governamentais para que estes tomem as melhores decisões em políticas ambientais.

Contate o CETEA para orientação de sua organização sobre os requisitos da legislação sobre embalagem e meio ambiente em âmbito nacional ou mundial, para entender as implicações da legislação em seu negócio, além de orientação para o cumprimento dos requisitos estabelecidos.

Treinamento sobre sustentabilidade ambiental

O treinamento em sustentabilidade ambiental oferecido no CETEA tem por objetivo fornecer o conhecimento necessário para a melhoria de seus produtos e serviços. Além disso, seminários são organizados regularmente no CETEA a fim de manter o mercado atualizado quanto aos desenvolvimentos na área ambiental, experiências de aplicação de ACV e atualização sobre a legislação.

Critical review

Os estudos de ACV ganham maior credibilidade quando são submetidos a uma revisão crítica feita por terceiros, principalmente se os dados obtidos serão divulgados publicamente. Os especialistas em ACV do CETEA podem conferir credibilidade aos estudos de ACV desenvolvidos nas empresas ou organizações mediante a revisão crítica dos mesmos. A revisão é feita de acordo com as necessidades, ou seja, desde uma revisão preliminar até uma revisão crítica completa do estudo.

Carbon footprint

O carbon footprint (pegadas de carbono) está relacionado com a quantidade total de dióxido de carbono (CO2) e outras emissões de gases de efeito estufa (metano – CH4, óxido nitroso – N2O, etc.) associados a um produto ou atividade durante todo seu ciclo de vida e são decorrentes, por exemplo, da produção de eletricidade, da queima de combustíveis fósseis para aquecimento ou para operações de transporte, bem como de outros processos industriais e agrícolas.

O carbon footprint é quantificado empregando os indicadores de potencial de aquecimento global definidos pelo IPCC – Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas. As mudanças climáticas são uma das principais categorias de impacto ambiental consideradas em estudos de ACV, que tipicamente utiliza os fatores de caracterização do IPCC para calcular o CO2 equivalente. Portanto, a determinação do carbon footprint é uma ACV com a análise limitada às emissões que contribuem para as mudanças climáticas.

Fontes de dados adequadas para a estimativa do carbon footprint de produtos ou atividades são aquelas disponíveis em bancos de dados de ACV.

O CETEA dispõe de banco de dados desenvolvido especificamente para expressar produtos fabricados no Brasil. Entre em contato com o CETEA para calcular o carbon footprint de seus produtos ou atividades.

Experiência

Capacitação técnica do CETEA na condução de estudos de ACV

O Grupo de Meio Ambiente do CETEA é uma equipe multidisciplinar com pesquisadores das áreas de embalagens plásticas, metálicas, de vidro e celulósicas com mais de dez anos de experiência no desenvolvimento de estudos de Avaliação do Ciclo de Vida - ACV aplicados à realidade brasileira e realizados com estreita colaboração do setor produtor de embalagens do País.

No período de 1997 a 2000, foi desenvolvido no CETEA o primeiro projeto brasileiro sobre “Avaliação do Ciclo de Vida de Embalagens para o Mercado Brasileiro”. Este projeto teve o apoio da FAPESP, dentro da linha de “Projetos de Inovação Tecnológica em Parceria” e também de um Consórcio formado por três Associações de Embalagem (ABPO, BRACELPA e ABIVIDRO) e duas empresas do setor (CSN e TETRAPAK). O objetivo principal deste projeto foi o estabelecimento da capacitação do CETEA na condução de estudos de Avaliação de Ciclo de Vida (ACV) de produtos e processos associados às embalagens, a fim de assessorar o setor privado e os órgãos governamentais do país nas decisões para otimização e interpretação da relação da Embalagem & Meio Ambiente.

Neste período, a equipe do CETEA recebeu treinamento de uma empresa de consultoria internacional (PIRA International, da Inglaterra), foram adquiridos softwares específicos para o desenvolvimento de estudos de ACV de produtos (PEMS4 e SIMAPRO) e alguns Bancos de Dados de ACV internacionais (BUWALL e Ecoinvent) utilizados como referência no estudo.

Durante a execução desse projeto, foram gerados modelos em termos de ACV para expressar a produção de energia elétrica da rede pública, o transporte rodoviário de cargas e o gerenciamento de resíduos sólidos urbano, a fim de possibilitar a condução do estudo de ACV das embalagens selecionadas de acordo com a realidade brasileira durante o ciclo de produção, uso e disposição final dos diversos materiais que compunham os 13 sistemas de embalagem estudados.

No período de 2001 a 2003, o modelo de geração de energia elétrica foi atualizado através do projeto “Ampliação do Banco de Dados do CETEA para Análise de Ciclo de Vida de Produtos e de Embalagens” com financiamento do CNPq / Programa RHAE, com o objetivo de considerar a evolução da realidade brasileira em novos estudos de ACV conduzidos pelo CETEA.

A aplicação dos estudos de ACV foi ampliada para a análise de produtos agrícolas (café grão verde e suco de laranja concentrado congelado) através do projeto “Avaliação do Ciclo de Vida como Instrumento de Gestão de Processos e Produtos” financiado pela FINEP/MCT no período de 2003 a 2006. Neste período a equipe do CETEA recebeu dois treinamentos internacionais com enfoque na Avaliação de Impacto do Ciclo de Vida (AICV), sendo um dos treinamentos ministrado no PIRA International, Inglaterra e outro oferecido pela empresa Ecointesys S/A, da Suíça. Com os recursos disponíveis nesse projeto foi possível ainda a aquisição do software GABi4 para uso em novos estudos de ACV desenvolvidos no CETEA.

Sob o conceito de ACV, o CETEA tem se especializado nos últimos anos no desenvolvimento de embalagens considerando sua relação com o Meio Ambiente, ou seja, aplicação do conceito de avaliação do ciclo de vida dos produtos para orientação do desenvolvimento de embalagens e produtos, visando o desenvolvimento sustentável.

Além da larga experiência do Grupo de Meio Ambiente do CETEA em estudos de ACV, o Centro conta com um acervo bibliográfico de mais de 300 documentos específicos da área de Meio Ambiente com aplicação em estudos de ACV, além de um vasto acervo dedicado à área de embalagem.

Estudos de ACV

Estudos de ACV conduzidos no CETEA

Os estudos de ACV conduzidos no CETEA priorizam o interesse e a interação entre o setor produtor e usuário de embalagens e de produtos diversos, com ênfase na aplicação direta dos resultados em melhoria ambiental contínua, dentre os quais podem ser destacados:

1997-2000: foi desenvolvido no CETEA o primeiro projeto brasileiro sobre “Avaliação do Ciclo de Vida de Embalagens para o Mercado Brasileiro”, com apoio da FAPESP e de um consórcio de Associações e Empresas (ABPO, BRACELPA, ABIVIDRO, CSN e TETRAPAK), no qual foram avaliados 13 sistemas de embalagem.

2000-2002: outros dois projetos sobre “Avaliação do Ciclo de Vida de Embalagem de PET no Brasil” e “Avaliação do Ciclo de Vida de Produtos em Alumínio” foram desenvolvidos no CETEA, por solicitação do setor privado através das Associações ABIPET e ABAL, respectivamente, nos quais foram avaliados 6 sistemas de embalagem.

2001-2004: os Inventários do Ciclo de Vida associados à geração de energia da rede pública e de transporte rodoviário de cargas foram atualizados através do projeto “Ampliação do Banco de Dados do CETEA para Análise de Ciclo de Vida de Produtos e de Embalagens” com financiamento do CNPq/Programa RHAE, a fim de possibilitar a condução de novos estudos de ACV considerando a evolução da realidade brasileira.

2003-2006: a condução de estudos de ACV no CETEA foi ampliada para a análise de produtos agrícolas através do projeto “Avaliação do Ciclo de Vida como Instrumento de Gestão de Processos e Produtos” desenvolvido com financiamento da FINEP/MCT, com o objetivo de qualificar e quantificar os principais impactos ambientais da produção de café grão verde e de suco de laranja concentrado congelado no Brasil.

2003-2007: foi desenvolvido um novo estudo de embalagens de aço através do projeto “Análise do Ciclo de Vida de Embalagens Metálicas” com financiamento da FINEP/MCT e CSN, visando a análise das melhorias ambientais associadas aos sistemas de embalagem avaliados.

2004-2005: foi desenvolvido o projeto sobre “Atualização do Estudo de ACV para Embalagem Cartonada de Leite Longa Vida 1L” para a TETRA PAK Ltda., visando a quantificação das melhorias ambientais implementadas nos últimos anos.

2005-2006: projeto “Avaliação do Ciclo de Vida - ACV de Sacolas Plásticas”, foi desenvolvido para a PLASTIVIDA, com ênfase em filmes de PEAD e PELBD.

2009-2013: foram desenvolvidos os projetos sobre "Desafio Sustentabilidade Ponta.a.Ponta Walmart Brasil, 1ª, 2ª e 3ª edição" para o Walmart Brasil Ltda. visando a orientação de 29 de seus fornecedores para o desenvolvimento de 41 produtos com menor impacto ambiental por meio do life cycle thinking.

Produção científica e tecnológica

Produção científica e tecnológica na área de ACV

A produção científica e tecnológica do CETEA sobre Avaliação do Ciclo de Vida – ACV engloba publicações na forma de livros, artigos técnicos e científicos em revistas indexadas e em anais de eventos, etc., dentre as quais podem ser destacados os dois livros sobre ACV:

Design for environment (Ecodesign) Avaliação do Ciclo de Vida: princípios e aplicações.MOURAD, A. L.; GARCIA, E. E, C.; VILHENA, A. Campinas: CETEA/CEMPRE, 2002. 92p.

Design for environment (Ecodesign) Avaliação do Ciclo de Vida como Instrumento de Gestão. COLTRO, L. (Org.). Campinas: CETEA/ITAL, 2007. 75 p. (ISBN 978-85-7029-083-0)

Environmental profile of rice production in Southern Brazil: A comparison between irrigated and subsurface drip irrigated cropping systems Environmental profile of rice production in Southern Brazil: A comparison between irrigated and subsurface drip irrigated cropping systems

ITAL - Instituto de Tecnologia de Alimentos | Av. Brasil, 2880, Campinas, SP - CEP 13070-178 - Caixa Postal 139 | Tel: 19 3743 1700 / Fax: 19 3743 1799 ital@ital.sp.gov.br